...

Como garantir que suas redações sejam cada vez melhores

Pode ser que você adore escrever, ou talvez não seja sua atividade preferida. Mas uma coisa é fato: a escrita é necessária para o nosso dia a dia. Seja na escola, no trabalho, mandando mensagem para os amigos ou escrevendo uma redação na prova ou vestibular, saber qual a melhor forma de construir seu texto é essencial. Cada ambiente exige uma linguagem específica e precisamos saber como redigir um bom texto para os contextos mais formais. Nesse blog, o intuito é apresentar algumas dicas que vão te ajudar a escrever dissertações cada vez melhores. Afinal, quem gostaria de ler um  texto todo errado?

  • A prática leva à perfeição!

Não tem maneira melhor de aprimorar qualquer habilidade, seja um esporte, desenho, pintura, instrumento ou a escrita, do que treinando! Ler livros e textos de outros autores te auxilia a conhecer diferentes construções textuais, aumentar seu vocabulário e melhorar a gramática. Sem obrigação ou cobrança, crie uma rotina  de leitura diária – nem que seja 10 páginas de um livro que você gosta. Depois, coloque as mãos na massa! Escreva diferentes tipos de redação, sobre diferentes temas (atuais ou históricos), e vá guardando todas! Você vai ver, depois de muito treino, como suas redações evoluirão!

  • Escaneabilidade? O que é isso?

Com a correria do dia a dia, infelizmente, as pessoas passaram a ler muito pouco e cada vez mais rápido. A maioria acaba escaneando o texto (e daí surge o termo “escaneabilidade”) em busca de informações rápidas que façam o entendimento do texto ser mais simples, mesmo na pressa. Utilizar-se de citações, subtítulos, tópicos e listas pode ser muito benéfico para uma leitura mais rápida e menos densa. Mas preste atenção às demandas! Se você estiver escrevendo um texto dissertativo-argumentativo, fazer cortes não cabe, é essencial estar atento ao tipo de texto que se está escrevendo.

  • O que veio primeiro: o título ou o texto?

Durante a escrita de uma redação, as ideias vão passando pela cabeça e, desde o primeiro trecho que imaginamos para o texto até a versão final, muito do que a gente pensou acaba sendo alterado. Por isso, não é recomendado criar o título antes da redação em si, seria como colocar a cereja em cima de uma massa de bolo crua. Claro que pode ser que surjam ideias de título durante o fluxo da escrita, e você pode manter um caderno ou papel ao seu lado para ir anotando as opções que você for pensando. Mas é só depois de finalizar e reler o texto que você deve bater o martelo em qual título selecionar.

  • A construção é essencial!

Existem inúmeros tipos de textos, e cada texto tem uma construção própria – como já foi comentado anteriormente. Uma redação jornalística demanda uma construção diferente de uma poesia, que demanda uma construção diferente de um conto, e assim com todos os gêneros textuais. É muito importante ter atenção ao tipo de texto que se está escrevendo. 

Por exemplo: um bom texto dissertativo-argumentativo é formado por 4 parágrafos – um de introdução (que explicite a opinião que o texto vai carregar e os dois argumentos que você apresentará), dois de desenvolvimento (desenvolvendo os argumentos apresentados no primeiro parágrafo) e um de conclusão (que retoma o primeiro parágrafo, explicando porque seus argumentos sustentam sua opinião). Nunca se deve explicitar uma opinião pessoal com “eu acho”, “eu penso”, mas colocar sua opinião de forma indireta. 

  • Por obséquio, atenção à linguagem, tá ligado?

Escrevendo uma mensagem para um amigo em alguma rede social, é claro que você pode usar gírias e abreviaturas, mas, para uma redação escolar, esse tipo de linguagem não cabe. Assim como não cabe falar sobre assuntos banais com pessoas próximas de maneira formal. É muito importante saber dosar o tipo de linguagem que será utilizada, sem exageros (como várias palavras difíceis uma atrás da outra, ou a utilização de estrangeirismos e jargões). Além disso, preste atenção para não mudar seu discurso no meio do texto; iniciá-lo com uma linguagem formal e finalizá-lo com uma linguagem informal, por exemplo.

  • Vamos pensar no próximo (leitor)!

Pode até ser que você saiba quem vai ser a próxima pessoa a ler seu texto; mas, imagine que você é um grande escritor de uma rede social muito famosa e que pode chegar até pessoas de qualquer lugar do mundo. Se você escrever seu texto com palavras muito rebuscadas, sem explicar termos e temas específicos ou palavras desconhecidas, pode ser que algumas pessoas não entendam. Sempre imagine que a pessoa que lerá seu texto não tem ideia do tema tratado e, portanto, é sua função fazê-la compreender. Se concentre em explicar muito bem sobre o que trata o texto, porque seus argumentos fazem sentido e como fazer para aplicar suas ideias no mundo real.

Pronto! Seguindo essas dicas, você vai se sair cada vez melhor nas suas redações! Conta aqui para a gente: quais dessas dicas você já conhecia ou mais gostou?

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on facebook
Skip to content